Twitter Facebook YouTube Flickr

CUT CE > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUE CENTRAL > COM 16 EXPLOSÕES EM CINCO MESES, AGÊNCIAS BANCÁRIAS DO INTERIOR DO CEARÁ VIVEM SITUAÇÃO CAÓTICA

Com 16 explosões em cinco meses, agências bancárias do Interior do Ceará vivem situação caótica

19/06/2017

Sindicato dos Bancários do Ceará registrou 30 ataques no período, incluindo arrombamentos (e tentativas), assalto, saidinhas e ataques a carros-fortes. Um vigilante morreu durante as ações criminosas

Escrito por: SEEB/CE

Agência bancária na cidade de Cedro-CE, após explosão durante madrugada do dia 31 de março de 2017 (FOTO: Jornal O Povo, enviada por moradores)

Trinta ataques em apenas cinco meses. Esse é o número registrado pelo Sindicato dos Bancários do Ceará (de acordo com o publicado pela imprensa local). Até o mês de maio deste ano, foram 20 arrombamentos, um assalto, cinco tentativas de arrombamento, duas saidinhas e três ataques a carros-fortes, com a morte de um vigilante no dia 11 de abril, em Fortaleza.

 

Os números são bem semelhantes ao mesmo período do ano passado, quando foram contabilizados 33 ataques. Entretanto, das 30 ações de 2017, 16 aconteceram com uso de explosivos, várias delas utilizando ainda reféns como escudo na fuga. A explosão de agências pelo Interior do estado tem causado inúmeros transtornos e medo para população, comerciantes e bancários.

 

O modus operandi é sempre o mesmo: uma quadrilha numerosa de assaltantes sitia uma cidade do Interior durante a madrugada e divide-se, indo uma parte para o destacamento policial (que geralmente é bem reduzido) e outra para a agência. Em seguida, explodem a unidade, efetuam o assalto e fogem. O saldo para os usuários da cidade é a agência bancária fechada, reduzindo drasticamente o movimento do comércio, usuários tendo de se locomover até 100 quilômetros para conseguir atendimento e bancários sendo transferidos para outras unidades na região.

 

Em decisão recente, o Banco do Brasil informou que deve fechar definitivamente pelo País várias unidades explodidas. No Ceará, serão fechadas as agências dos municípios de Madalena, Pedra Branca, Jaguaribara, Pindoretama e Itapiúna. Em cinco meses este ano, o BB foi atacado12 vezes e o Bradesco, 10. O Sindicato vem conversando com câmaras de vereadores e fazendo articulações com sindicatos de municipais e trabalhadores rurais desses municípios para, junto à Superintendência do banco, pedir a reversão dessa determinação.

 

“Com a agência explodida a situação fica bem difícil. O movimento do comércio cai, aposentados e servidores são obrigados a se deslocar para outros municípios, correndo risco nas estradas e o bancário, que já está instalado naquele local, tem de se estabelecer em outra cidade. Todos são prejudicados”, afirma um dos diretores do Sindicato dos Bancários do Ceará, Bosco Mota.

 

LEGISLAÇÃO

ESTATUTO DE SEGURANÇA – Dos 30 ataques registrados pelo Sindicato nos cinco primeiros meses do ano, apenas quatro foram em Fortaleza. A entidade atribui esse baixo índice de ocorrência ao cumprimento do Estatuto Municipal de Segurança Bancária (lei 9.920/2012). O Estatuto prevê que as unidades bancárias adotem diversos itens de segurança para coibir esse tipo de ataque.

 

Desde a aprovação da lei em Fortaleza, o Sindicato tem encampado uma árdua batalha pela aprovação de leis semelhantes em diversos municípios do Interior do Ceará. Entretanto, em poucas cidades a iniciativa foi aprovada, como Tianguá, Caucaia, Caridade e Crateús (lei semelhante apresentada pelos vigilantes locais). “Nós observamos que nesses lugares os índices também vêm caindo, a exemplo do que acontece na Capital”, analisa Bosco Mota.

 

ADENDO PREVÊ SEGURANÇA ARMADA – A lei estadual 14.961/2011 dispõe sobre a instalação de divisórias, proibição do uso de celulares, instalação de câmeras de segurança e contratação de empresas especializadas para as agências bancárias em todo o Estado do Ceará. A lei vigora desde 2011 e, recentemente, teve um adendo importante. Após iniciativa da deputada Augusta Brito (PCdoB), o artigo 2º da lei ganhou um parágrafo único que determina que as agências bancárias que possuem salas de autoatendimento ficam obrigadas a manter vigilância armada, com profissional habilitado e registrado, das 6h às 22h, todos os dias, garantindo a segurança de usuários e clientes. O parágrafo foi acrescentado após a aprovação da lei 16.041/2016, na Assembleia Legislativa.

 

Segurança bancária é reivindicação constante em nível nacional
A última negociação entre os representantes da Contraf-CUT e da Fenaban, na comissão bipartite de Segurança bancária, frustrou os bancários. A Confederação cobrou a manutenção de vigilantes em agências explodidas e a solicitação de um vigilante extra em unidades com portas giratórias com problemas portando equipamento portátil para fazer a detecção de metais, mas ambas as reivindicações foram negadas.

Quanto a ampliação da proteção aos bancários, prevista na clausula 33-C da CCT, que abre a possibilidade realocação para outra agência ou posto de atendimento bancário, apresentado pelo empregado que for vítima de sequestro consumado, para a modalidade extorsão mediante sequestro, a Fenaban disse que ainda está em estudo com os bancos e na próxima reunião, marcada para 12 de julho, deverá apresentar uma proposta ao movimento.

“As respostas ficaram aquém da nossa expectativa, mas vamos continuar pressionando para que todos esses pontos, que consideramos de fundamental importância, sejam atendidos”, garante Gustavo Tabatinga, secretário de Políticas Sindicais da Contraf-CUT.

 

CIDADES ATACADAS EM 2017 NO CEARÁ

  1. Aiuaba
  2. Aracati
  3. Aratuba
  4. Barbalha
  5. Catunda
  6. Caucaia
  7. Cedro
  8. Fortaleza (4)
  9. Ibaretama
  10. Icapuí
  11. Itaiçaba
  12. Jaguaruana
  13. Juazeiro do Norte (2)
  14. Maracanaú
  15. Maranguape
  16. Milhã
  17. Miraíma
  18. Missão Velha (2)
  19. Pedra Branca
  20. Redenção
  21. Saboeiro
  22. Tamboril
  23. Tarrafas
  24. Tejuçuoca

(*) Algumas cidades foram atacadas mais de uma vez

 

NÚMEROS 1º/JAN ATÉ 31/MAIO DE 2017

  • 30 ataques
  • 26 no Interior
  • 4 na Capital
  • 20 arrombamentos
  • 5 tentativas de arrombamentos
  • 1 assalto
  • 16 ataques com explosivos
  • 1 vigilante de carro forte morto (Fortaleza)
  • 12 ações contra o Banco do Brasil
  • 16 contra os demais bancos
  • 4 fugas com reféns
  • 2 ataques a carros fortes
  • 24 cidades atacadas (algumas, mais de uma vez)
     

(*) Para mais detalhes, acesse a edição nº 1.480 do Tribuna Bancária, publicação do Sindicato dos Bancários do Ceará

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
RÁDIO CUT

CUT CEARÁ
Rua Solón Pinheiro, 915 | Bairro José Bonifácio | CEP 60050-041 | Fortaleza | Ceará
Fone: (085) 3464-7377 | www.cutceara.org.br | e-mail: [email protected]